Website e E-commerce: diferenças fundamentais entre os dois

0
7

Antes de mais nada é preciso esclarecer que, estruturalmente, não há diferença entre website e e-commerce.

Solicitar Cotação!

Primeiramente, ambos são websites. Só que o e-commerce propriamente dito é um modelo de negócio que apresenta um formato específico para a exibição dos produtos para venda.

As diferenças fundamentais entre website e e-commerce

Então, a arquitetura do e-commerce implica em uma dinâmica de atualização constante para inserir, excluir e alterar dados. Por isso, o modelo e-commerce costuma inicialmente se apoiar em plataformas de vendas de produtos e serviços

Já um website que apresente seus produtos/serviços a um público segmentado, só procederá a alterações em momentos específicos. Certamente que atualizações ocorrerão, mas seu modelo de gerenciamento é bastante diferenciado de um site de e-commerce.

Afinal, o e-commerce pode utilizar um site próprio ou uma plataforma. A convergência é que nesse modelo, o site é todo automatizado, desde a seleção do produto até o processo de pagamento.

Por outro lado, um website até usa automação para interagir com o usuário. Isso é comum atualmente. Contudo, em um dado momento, essa interação passa a ser humana, pessoa a pessoa.

Dito isso, pode-se passar às considerações sobre as diferenças fundamentais de cada uma dessas estruturas.

5 principais diferenças entre website e e-commerce

Abaixo você confere os 5 principais aspectos que diferenciam os websites dos e-commerce.

1 – Apresentação/ representação de uma empresa

Websites têm a função de apresentar uma empresa de qualquer espécie, inclusive aquela cuja finalidade seja vendas de seus produtos.

– Sites E-commerce funcionam como vitrines dos mais variados nichos de mercado cuja função é a transação comercial. É a forma digital substitutiva do comércio convencional. Esse modelo substituiria uma Wallmart, por exemplo, ou uma loja de departamentos.

2 – Endereço/ Catálogo virtual

Website é o endereço virtual de uma empresa que tem seu correspondente físico obrigatoriamente. Um escritório de advocacia, uma empresa de engenharia e assim por diante são exemplos de websites institucionais.

Nesse sentido, a composição das páginas geralmente obedece a uma mesma organização. A Home Page é a capa, a aparência da empresa. Ali se encontram a História, Quem Somos, Valores, Quadro Profissional e os Links dos Serviços exibidos em outras páginas.

– Em contrapartida, Sites E-commerce exibem na Home Page um Menu com todas as categorias de Produtos e Serviços. O usuário será direcionado à categoria escolhida ao clicar no link, na Página Inicial.

Então, ele poderá se cadastrar e terá acesso por meio de login e senha a todas as funcionalidades do site. Sobretudo, ele poderá efetuar tanto a compra quanto o pagamento de modo mais seguro.

3 – Websites podem ser lojas virtuais… Como assim?!

Websites podem ser lojas virtuais. Lojas virtuais são websites que vendem produtos de um mesmo segmento. Por exemplo, uma livraria. Ela oferece seu produto, o usuário escolhe e coloca no carrinho de compras, paga e vai embora.

A confusão entre loja virtual e e-commerce existe porque se costuma traduzir e-commerce por loja virtual, em português.

No entanto, com o intuito de esclarecer dúvidas sobre comparar e-commerce a lojas virtuais, importa esclarecer cada um desses conceitos. Uma loja virtual tem seu correspondente físico.

O objetivo é expandir os negócios no ambiente digital, favorecidos inclusive, pelas estratégias do marketing digital.

– Embora no E-commerce, em tese, o procedimento seja o mesmo, o diferencial é quanto à variedade de produtos e/ou serviços que podem ser transacionados.

A diferença se dá em termos de volume de vendas muito maior que o de Lojas Virtuais.

4 – Websites e plataformas e-commerce

Websites são disponibilizados no ar tão somente através de um servidor. Basta ter um domínio e uma hospedagem e o website passa a figurar na rede. Sem dúvida alguma, o website tem que passar por manutenções periódicas, atualizações e melhorias. Existem métricas para cada um desses procedimentos.

Entretanto, o E-commerce é um site mais complexo.

Primeiramente, o site e-commerce costuma se apoiar em uma plataforma, os marketplaces. Dentro dessas plataformas, o e-commerce tem regras diferentes para operações que podem ser do tipo B2B ou B2C. Business to business ou Business to Consumers. Ou seja, venda de negócio para negócio e venda para consumidores ou clientes.

Assim sendo, surge aqui uma diferença fundamental entre o Website institucional e o Website e-commerce. No e-commerce são muitas as variáveis a serem consideradas.

Dependendo do modelo de transação efetuada, se B2B ou B2C, a plataforma deve oferecer esses recursos. Por exemplo, formas de pagamento, cadastro no sistema bancário, formas de tributação diferenciada entre venda para negócios e venda para consumidores, dentre outros quesitos.

5 – Variações de websites e singularidade de e-commerce

Por último, existem variados tipos de websites. Todos os tipos são considerados websites por ser a representação virtual de uma empresa apresentada pela Internet. Recomenda-se sempre uma construção profissional de websites. Contudo, o gerenciamento pode ser feito pelo próprio usuário.

E-commerce é um tipo específico de site, regido por regras intrínsecas e inerentes a esse formato. São sites de arquitetura e conteúdo complexos, que demandam o gerenciamento por especialistas. No mínimo, de pessoal treinado para essa função.

Em síntese, websites e sites e-commerce têm em comum o fato de serem páginas da rede. Entretanto, cada uma delas tem um formato específico.

Assim, as diferenças entre esses sites se fundamentam:

  1. Primeiramente no formato:

    • As páginas de websites institucionais são compostas por uma Página Inicial com um Menu e os links que remetem às outras páginas do site. Na verdade, esse Menu consta de todas as páginas, para que seja possível a navegação.

Um website institucional pode ter por fim a promoção e venda de produtos. No entanto, a menos que seja uma loja virtual, esses sites não têm carrinho de compras. Portanto, a venda não é automatizada.

  • As páginas do e-commerce são compostas de uma Página Inicial, em que no Menu constam todas as categorias de produtos e serviços à escolha do usuário.

Além disso, em cada página, o usuário receberá as instruções para a aquisição, que variam conforme a plataforma que suporta o site. Por exemplo, formas de pagamentos, isenções, tributações, enfim.

O usuário poderá se cadastrar para futuras compras e passará a ter acesso por login e senha. Decerto, no e-commerce, as compras são realizadas em ambiente seguro.

  1. Na finalidade, isto é:

    • Os websites, de modo geral, os institucionais, têm por finalidade apresentar uma empresa na rede e,
    • Os sites e-commerce têm como premissa básica exibir produtos e serviços em grande volume para a venda.
  2. Na arquitetura, ou seja:
    • Embora em ambos os casos, os sites tenham que se ajustar a regras de otimização de SEO, as diferenças para construção são específicas.
    • O e-commerce é um site de arquitetura complexa, demandando especialização para sua construção.
    • Já o site institucional é diferente. Mesmo que tenha que se alinhar às regras e padrões de otimização da Internet tem uma arquitetura mais simplificada.

Em resumo, website e e-commerce são sites, termo genérico utilizado para designar websites, qualquer variação que seja. A diferença está no modelo de negócio escolhido para aparecer na Internet.